Energia solar crescerá mais de 8% em uma década

Fontes de energia baseadas em carbono zero ultrapassaram os combustíveis fósseis se tornando a maior fonte de energia no Reino Unido em um ano.

Esse ano será o primeiro em que os combustíveis fósseis atingiram menos da metade da eletricidade gerada, de acordo com o National Grid, seguindo o dramático declínio da geração à carvão e o crescimento das energias renováveis e de baixa emissão de carbono.

As residências e empresas no Reino Unido irão aderir a energias mais limpas geradas por parques eólicos, painéis solares, hidrelétricas e energia nuclear.

Uma década atrás, usinas termelétricas a carvão geraram quase um terço da eletricidade consumida no país, mas na primeira metade desse ano, essa fonte de energia caiu para apenas 3% de toda eletricidade gerada. No mesmo período, energias renováveis subiram de apenas 2% da geração total para um quinto de toda eletricidade produzida.

Um “ponto de virada” é um “marco histórico” para a jornada do Reino Unido para se tornar uma economia com emissão zero de carbono até 2050, conforme o National Grid. Fonte: The Guardian

Fontes de energia baseadas em carbono zero ultrapassaram os combustíveis fósseis se tornando a maior fonte de energia no Reino Unido em um ano.

Esse ano será o primeiro em que os combustíveis fósseis atingiram menos da metade da eletricidade gerada, de acordo com o National Grid, seguindo o dramático declínio da geração à carvão e o crescimento das energias renováveis e de baixa emissão de carbono.

As residências e empresas no Reino Unido irão aderir a energias mais limpas geradas por parques eólicos, painéis solares, hidrelétricas e energia nuclear.

Uma década atrás, usinas termelétricas a carvão geraram quase um terço da eletricidade consumida no país, mas na primeira metade desse ano, essa fonte de energia caiu para apenas 3% de toda eletricidade gerada. No mesmo período, energias renováveis subiram de apenas 2% da geração total para um quinto de toda eletricidade produzida.

Um “ponto de virada” é um “marco histórico” para a jornada do Reino Unido para se tornar uma economia com emissão zero de carbono até 2050, conforme o National Grid. Fonte: The Guardian

Esclarecimentos do reembolso do ICMS

A repercussão da matéria veiculada sobre restituição do ICMS pago nas contas de energia elétrica causou uma grande corrida dos consumidores às empresas fornecedoras e às defensorias públicas, buscando reaver o montante que foi pago e, no entendimento atual do STF, foi considerado uma cobrança ilegal.

No entanto, a Defensoria Pública do Ceará pede cautela com relação ao caso, visto que, o Supremo Tribunal Federal ainda tomará uma decisão definitiva sobre essa causa, logo o reembolso ainda não está garantido, portanto todos os processos para restituição do valor pago estão suspensos por agora.

É importante salientar ainda que o valor do ICMS que foi pago às empresas fornecedoras foi repassado ao Estado, que é quem deve ser demandado em um processo judicial. Fonte: Diário do Nordeste

A geração distribuída atinge a marca de 1 GW

A adesão a energias renováveis está se tornando uma constate positiva no país. Fatores como a economia e a sustentabilidade têm feito com que cada vez mais consumidores optem pelas fontes de energia alternativa, buscando a independência energética. Esse fenômeno pode ser constatado pelos dados divulgados pela Aneel no último dia 11, em que mostram que o país ultrapassou a marca de 1 gigawatt de potência instalada em micro e minigeração distribuída de energia elétrica.

Segundo os relatórios da Aneel, A fonte mais utilizada para micro e minigeração distribuída é a solar fotovoltaica, com 82,6 mil micro e mini usinas e cerca de 870 MW de potência instalada, seguida pela produção por centrais geradoras hidrelétricas, com 86 usinas e 81,3 MW.
Os estados que mais aderiram à micro e à minigeração, superando 10 mil unidades consumidoras, foram Minas Gerais (16,7 mil unidades de geração e 212,3 MW de potência instalada), Rio Grande do Sul (12 mil unidades, 144,4 MW) e São Paulo (14,5 mil unidades, 117,4 MW). Ao todo, existem 82,9 mil usinas geradoras no país, com 114,3 mil unidades consumidoras que recebem os créditos pela energia gerada.

Para o diretor-geral do órgão regulador, André Pepitone, a marca histórica é fruto do trabalho da Agência para viabilizar o empoderamento do consumidor no setor. “Como reguladores, nos preocupamos em manter o equilíbrio do sistema, sempre tendo em vista a incorporação de novas tecnologias. A geração distribuída equivale, no setor elétrico à revolução do smartphone nas telecomunicações”, comentou.
Fonte: Aneel

ECO ENERGIA na China!

A Eco embarcou em uma missão para a China juntamente com o grupo G5 Solar e a WEG Solar. Uma missão sobre inovação, conhecimento e troca de experiências no país que é o maior fabricante de painéis solares do mundo.

Restituição de ICMS

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) também compõe o valor das contas de energia de consumidores de todo o país. No entanto, essa cobrança vem sendo questionada. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) ainda dará uma decisão definitiva sobre a questão, mas os valores pagos indevidamente já podem ser ressarcidos se questionados na justiça.

Qualquer pessoa física ou jurídica que tenha consumido energia elétrica nos últimos cinco anos esteve sujeito a essa cobrança a maior do imposto poderá buscar reaver o valor indevidamente desembolsado. Fonte: Diário do Nordeste

O Brasil chegou a marca de 10.000 empresas envolvidas no ramo de energia solar

Em um levantamento realizado pelo Portal Solar, o Brasil chegou a marca de 10.000 empresas envolvidas no ramo de energia solar. Nesse ramo, o maior destaque são os equipamentos e serviços para a geração distribuída. A estimativa é que assim o setor emprega cerca de 20 mil profissionais, com investimentos acumulados que ultrapassam R$ 24 bilhões entre os empreendimentos de grandes usinas e sistemas de autogeração em residências, comércios e indústrias.

No caso específico das empresas de engenharia e instalação (geração distribuída), o levantamento do Portal Solar mostra que foram criados aproximadamente 6 mil empregos somente nos últimos 12 meses. Somente o setor de geração solar distribuída já recebeu cerca de R$ 3,4 bilhões em investimentos desde 2012.

Fonte: Canal Energia.

A conta de energia ficará mais cara neste mês de Maio.

A conta de energia ficará mais cara para o mês de Maio. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), será cobrada taxa extra para o próximo mês, sendo esta equivalente a R$ 1 a mais na conta a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos, caracterizando a bandeira tarifária amarela.

No mês anterior, Abril, não houve cobrança extra (bandeira verde), bem como, vem acontecendo desde Dezembro de 2018.

A Aneel justificou o aumento pela diminuição das chuvas que tem consequências diretas sobre a produção hidrelétrica mais baixa no período.

Fonte: G1 Globo

Ceará e a sua capital, Fortaleza, ocupam lugar de destaque na geração de energia solar

egundo a Absolar – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, o estado do Ceará e a sua capital, Fortaleza, ocupam lugar de destaque na geração de energia solar a níveis regionais e nacionais.

O estado do Ceará ocupa a oitava posição no ranking nacional, sendo o primeiro em potência instalada na região Nordeste com 22,9 megawatts (MW). A cidade de Fortaleza ocupa a sexta colocação a nível nacional, também sendo a primeira em potência instalada dentre as cidades da região Nordeste com 8,1 megawatts (MW). Conforme dados da Absolar, a geração solar distribuída se refere aos sistemas de microgeração (até 75 quilowatts – kW) e minigeração (acima de 75 kW até 5 MW) distribuída solar fotovoltaicos implantados em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos. Fonte: O Povo
Foto: Wikimedia Commons/ Anders

Alemanha gerou 54,5% de eletricidade a partir de energia renovável

Pela primeira vez no país, a Alemanha gerou 54,5% de eletricidade a partir de energia renovável em março de 2019. Isso está de acordo com dados coletados pelo Instituto Fraunhofer de Sistemas de Energia Solar.

Os dados do Fraunhofer mostram que a energia eólica gerou 34,4% do mix energético, a energia solar, 7,3%, e os 12,8% restantes provenientes de energia hidrelétrica e biomassa.

A diretora de energia da Germany Trade and Invest, Esther Frey, divulgou um comunicado em resposta à notícia de que é “significativa”.
“Isso mostra que o investimento alemão em fontes de energia renováveis está mudando a maneira como o país terá seu poder no futuro”, acrescentou.

A Alemanha tem adicionado constantemente fontes renováveis de energia ao seu mix de geração. Fonte: Renewable Energy World